23/08/2017

Nós só atraímos aquilo que permitimos

Por tanto tempo segui acreditando que tudo que estava acontecendo era culpa unicamente minha, e por uma parte eu estava completamente certa, mas por outra, eu sabia que não, eu não era aquele monstrinho fantasiado em cores vivas que eu me culpei.
Por tanto tempo permaneci em sombras, sombras essas que eu mesma permiti que se fizesse presente em meu cotidiano. Eu estava com vendas nos olhos, nos olhos da alta.
Eu não percebia que estava vivendo num mundo que não era meu, que eu não era bem vinda ou bem vista. Eu estava vivendo uma vida na qual nada daquilo foi planejado a mim nos primórdios da minha criação.
Eu vivi escondida, iludida sobre o falso afeto e hoje quando olho para traz vejo que cada pedaço do meu coração eu mesma que deixava cair. Quando tudo desabou de vez eu simplesmente me culpei, me condenei e me vi no fundo do poço. Tentei e ergui-me quando menos esperei e para minha surpresa, hoje me encontro no meu melhor momento, no meu paraíso particular. Sinto falta de apenas um detalhe, mas esse eu aprendi que tudo só vai acontecer quando for hora, e também aprendi a nunca mais permitir que a escuridão volte aos meus sonhos e ao meu cotidiano.
Pois eu sou luz, eu sou amor e eu sou uma eterna criança.


0 comentários:

Postar um comentário

 
Book e Cofee Copyright 2014 ©
Designe By
- Kris Monneska Conversas de Alcova